Luz Verde para o ISTSat-1

Finalmente, o primeiro satélite, realmente construído em Portugal, tem licença para ir para o Espaço.

O satélite começou por ser estudado por volta de 2011 e, em 2017, a proposta apresentada à ESA pelo projeto ISTnanosat do IST colheu uma avaliação muito positiva e mereceu a aprovação do apoio da ESA.

O ISTASat-1 foi inicialmente previsto para ser lançado em 2019 a partir da ISS, mas a ESA optou por incluir o ISTSat-1 no voo inaugural do foguetão Ariane 6, cujo lançamento foi atrasado devido à pandemia e a sucessivos problemas técnicos. Finalmente, o Ariane 6 irá para o espaço em julho de 2024 e colocará o ISTSat-1 em órbita a cerca de 560 km de altura, o que lhe dará uma vida espacial prevista de 3 a 10 anos.

Uma equipa do IST entregou o satélite à ESA em 25 de março de 2024 e, a partir desta data, deixou de contactar com ele.

Ver a despedida do ISTSat-1.

A equipa do IST encontrou, ao longo do desenvolvimento do projeto, obstáculos burocráticos devido à falta de enquadramento legal completo para que o satélite pudesse ser licenciado e registado por Portugal.

É a Anacom, enquanto autoridade espacial que acautela as responsabilidades internacionais do Estado português e os interesses estratégicos nacionais, além de impor um conjunto de deveres em matéria de sustentabilidade e segurança espaciais.

O processo de licenciamento foi desbloqueado e, finalmente, o ISTSat-1 teve a autorização necessária para ser lançado no Espaço e operar os seus sistemas de telecomunicações.

“A ANACOM dá luz verde ao satélite do Técnico ISTSat-1, para ir para o Espaço” é a notícia que acaba de ser revelada por alguns órgãos de comunicação social:

O Jornal Económico, SIC notícias, Jornal de Negócios, SapoTek, TSF, Rádio na Suiça, Notícias ao minuto

Linkedin; Observador; ITnews1;ITnews2; INESC-ID; Gunter Page; Instagram; RTP; ESA

Opinião da ESA:

“The data that ISTSat-1 receives from the aircraft flying around the world will be transmitted to a ground station in Portugal and cross-checked with official aircraft ADS-B flight data. If they match, then the students can say they successfully built an operational satellite that flew on the first launch of Europe’s new rocket Ariane 6 – an impressive line to put on your CV.”

Pode obter mais informação sobre o ISTSat-1 nos seguintes sítios:

Podcast do IST sobre o 1º Cube-sat português.

“O que é o ISTsat-1?” 
ISTSAT – Site Oficial

Os passageiros escolhidos para o 1º voo do Ariane 6
Artigos no site da ESA onde é referido o ISTSAT-1
Notícia sobre o lançamento do Ariane 6 (que dará boleia ao ISTSAT-1)

Publicado em AMRAD

ISTSat-1 em duas frentes nos Media

No dia 20 de abril duas réplicas do ISTSat-1 chamaram a atenção em dois acontecimentos mediáticos simultâneos: A Exposição / Feira anual da REP realizada em Óbidos e o Dia Aberto do IST, em Lisboa.

A 35ª Exposição Feira da REP

Na Exposição da REP esteve presente uma réplica em tamanho real do ISTSat-1 e um modelo de engenharia do ISTSat-1 em funcionamento. O modelo de engenharia transmitiu informações via rádio, análogas às que o ISTSat-1 transmitirá do espaço, que puderam ser descodificadas pelos radioamadores presentes na exposição.

Vitor Silvestre, João Caria e o modelo de engenharia do ISTSat-1 a funcionar.

A apresentação teve a participação do Prof. Rui Rocha do IST, líder do projeto ISTnanosat, e de dois sócios diretores da AMRAD, Vitor Silvestre e João Caria e foi um dos motivos de grande interesse da Exposição.

Vitor Silvestre, João Caria, Rui Rocha e Luis Cupido

Na fotografia estão Luis Cupido, João Caria e Vitor Silvestre, três radioamadores especializados em instrumentos e em tecnologias de rádio para radioastronomia.

O Dia Aberto do IST

Nas inúmeras e interessantes atividades realizadas no dia aberto do IST, o Mestre João Paulo Monteiro no tema “Conversa com Cientistas”, moderado pela Dra. Joana Antunes,  fez uma brilhante apresentação sobre o ISTSat-1, acompanhada da presença de uma réplica do ISTSat-1.

Palestra de João Paulo Monteiro: “Com os olhos Postos no Espaço”

Esta apresentação despertou um grande interesse dos visitantes que esgotaram a capacidade  do anfiteatro A5 do IST.

João Paulo Monteiro responde às curiosas perguntas dos assistentes.

No anfiteatro A5 do IST as icónicas carteiras continuam decoradas com 80 anos de histórias, escritas pelos alunos que frequentaram o IST.

Um exemplo da história de 80 anos de ocupantes do anfiteatro A5.

No fim da palestra, os visitantes, nomeadamente os mais jovens, colocaram questões muito interessantes sobre o ISTSat-1. A réplica do ISTSat-1 regressou ao Museu Faraday, mas alguns dos visitantes manifestaram interesse de a acompanharem e  acabaram por visitar o Museu.

Publicado em AMRAD

ISTSat-1 – Saiba mais…

No IST e na AMRAD

Publicado em AMRAD

ISTSat-1 Galeria de fotos e vídeos do IST

Veja aqui algumas fotografias e vídeos do ISTSat-1.

Publicado em AMRAD

ISTSat-1 “A despedida”

No dia 25 de março, de manhã, uma equipa do IST constituída pelos alunos de PhD João Paulo Monteiro e Manuel Santos e o aluno de MsC Pedro Amado prepararam o ISTSat-1, no Nanosatlab do IST, para uma viagem que transportaria o ISTSat-1, numa mala especial, até Berlim.

ISTSat-1, no Nanosatlab do IST, preparado para ser embalado.

O ISTSat-1 foi protegido por uma estrutura especificamente projetada para o efeito e, na sala limpa do IST Nanosatlab, foi acondicionado na mala especial de transporte. A mala foi transportada por uma equipa do ISTSat-1, para Berlim, onde foi aberta na sala limpa da empresa contratada pela ESA.

A mala de transporte e estrutura de proteção do satélite.
Equipa do IST: Manuel, Pedro e João, a caminho de Berlim.

Nos dias 26 e 27 de março de 2024, a equipa do IST, esteve em Berlim, na empresa alemã Exolaunch, contratada pela ESA,  a preparar os trabalhos de acondicionamento do ISTSat-1 no contentor de transporte (deployer), que o levará para a Guiana Francesa onde será posto em órbita pelo foguetão Ariane 6.

No dia 26 de março a equipa fez alguns ensaios de funcionalidade dos diferentes módulos do ISTSat-1, incluindo a verificação das versões de software carregado nos módulos e a verificação da normalidade dos consumos de corrente dos módulos na situação de operação correta. Fez-se também a verificação de que os painéis solares estavam a adquirir energia elétrica a partir de uma fonte luminosa.

Sistemas do ISTSat-1 foram verificados com sucesso.

A equipa do IST esteve presente ao mesmo tempo que a equipa da Catalunha que preparava o 3Cat-4, um nano-satélite desenvolvido na Universidade Politécnica da Catalunha e que  também foi apoiado pela ESA.

A equipa espanhola do 3Cat-4

Os dois nano satélites ISTSat-1 e o 3Cat-4 foram dois dos selecionados pela ESA no FYS de 2017.

O ISTSat-1 e o 3Cat-4 a postos para o embarque.

O contentor (deployer) da Exolaunch dispõe de quatro compartimentos, gavetas, em que cada uma pode acomodar nano satélites com a altura máxima de 4 unidades (4 U; 1U=10 cm). O contentor estava configurado para ter 3 gavetas 1, 2 e 3, sendo a gaveta 3 configurada para um satélite especial da NASA que ocupava 4 U de altura e 2 U de largura.

Contentor da Exolaunch, configurado para 3 gavetas e que será transportado pelo Ariane 6.

No fim do dia 26 a equipa, apoiada por técnicos da Exolaunch, fez ensaios preparatórios para o dia 27, de verificação dimensional do ISTSat-1 (fit test) e sua adequação às dimensões do contentor, bem como o teste de deslizamento (slide test) fácil nos carris do contentor.

ISTSat-1 na gaveta 1 do contentor (deployer) da Exolaunch.

O teste de deslizamento é feito soltando a mola pré comprimida que fica na base do contentor (à esquerda da figura) e a sua libertação deve empurrar o ISTSat-1 pelos carris, que no laboratório da Exolaunch estão na posição horizontal. A força desta mola é muito fraca pois, em órbita, os satélites incluídos no contentor têm um peso praticamente nulo, mas no laboratório os ensaios de deslizamento têm de ser ajudados manualmente.

Na parte de cima e à esquerda da imagem, além do ISTSat-1 vão ser inseridos mais dois satélites, o satélite 1 U designado por 3Cat-4 da Universidade Politécnica da Catalunha e um satélite 2 U da empresa Spacemanic da República Checa e também da República da Eslováquia,  cuja missão é estudar efeitos de radiação cósmica em sistemas eletrónicos complexos.

Satélites: Spacemanic, ISTSat-1 e 3-Ca4 preparados para serem fechados.

A Spacemanic é uma empresa nova que resultou do lançamento do primeiro nano-satélite eslovaco skCUBE, em 23 de junho de 2017, que se manteve ativo 569 dias mas, hoje em dia,  ainda está em órbita.

Satélites Spacemanic, ISTSat-1 e 3Cat-4, a serem fechados.

No dia 27 de março, de manhã, os ensaios continuaram agora com os três nano-satélites acima referidos, em ensaios de deslizamento e de verificação dimensional. Cada um dos satélites foi pesado, informação que é necessária para a empresa Ariane, foi inserido no contentor e a gaveta do contentor foi fechada e selada.

Foram ativados os mecanismos de retenção da mola do contentor, ativados os mecanismos de RBF (Remove Before Flight) de cada satélite e ativado o mecanismo de fecho da porta da gaveta.

Estes três satélites estão prontos para o lançamento através do Ariane 6. As outras gavetas do deployer ainda vão ser preenchidas com um satélite da NASA (ocupando as duas gavetas de baixo dimensão 2U x 1U) e a outra gaveta com dimensão 1 U de secção, com outros nano-satélites.

Os alunos do IST despediram-se, assim, do ISTSat-1 e só voltarão a ter contacto com ele através de comunicações vias rádio em julho, se tudo correr bem com o Ariane 6 e o ISTSat-1 estiver em órbita.

Os alunos do IST regressaram às instalações do ISTTagus para trabalharem no NanosatLab em novos sistemas espaciais que já estão em desenvolvimento.

Agora a equipa está, também, a construir réplicas do ISTSat-1 para oferecer às organizações que impulsionaram esta fantástica aventura, que teve origem num financiamento inicial do DEEC do IST, dirigido então, em 2004, pelo Prof. Afonso Barbosa.

Publicado em AMRAD

ISTSat-1 na Revista da Univ. de Lisboa

A revista de Abril de 2024, da Universidade de Lisboa, divulgou a notícia:

Satélite totalmente feito no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa apanha boleia do Ariane 6 no Verão de 2024.

Ver Notícia

Publicado em AMRAD