Sistema de rádios do ISTnanosat concluido

Na passada 6ª feira  o grupo de trabalho do sistema de rádios do ISTnanosat (TTC) terminou, no INESC, os ensaios laboratoriais deste sistema, com resultados excelentes.   Conseguiu-se receber tramas digitais em RF com -115 dBm ultrapassando as expectativas  do grupo e as especificações que tinham sido aceites pela ESA.

Bancada de ensaio do TTC

O nível medido do ruído do recetor é de -124 dBm.  Embora este nível esteja acima do ruído de -134 dBm emitido pela Terra, que será recebido no satélite, é um valor excelente para um sistema tão complicado. O sistema permitiu receber tramas de dados digitais com um sinal de RF na entrada no recetor de  -115 dBm.  O  TTC tem dois processadores, um para o Beacon e outro, um DSP muito avançado, para as funções de comunicação com outros módulos do ISTnanosat, controlo, modulação e desmodulação multimodo. Este último sistema está implementado num módulo (Modem) que é acrescentado à placa base do TTC.

TTC sem o Modem  e com as blindagens para RX e TX do Beacon e do emissor principal.

 

O recetor usa um sistema  de comando automático de nível feito por processamento digital de sinal e que controla o ganho do recetor entre 330000 (máximo) e o valor necessário para colocar na banda de base, à entrada do conversor analógico digital do desmodulador digital, uma tensão de 1,3 V pap. Este valor é essencialmente constante para sinais de entrada de -110 dBm até -40 dBm.  Paralelamente a estimativa da potência do sinal recebido, calculada no DSP, pode ser facilmente acedida da “ground station” e permitir calcular o nível recebido pelo satélite com um erro inferior a 1 dB nesta gama de amplitudes.

Nos anos 90 o Profs. Gonçalo Tavares e Moisés Piedade  desenvolveram novos algoritmos iterativos apropriados a AGCs digitais  mas este que agora o ISTnanosat funciona na parte digital e  analógica e   foi desenvolvido pelo Prof Gonçalo Tavares juntamente com todo o Modem de processamento digital de sinal.

No TTC trabalharam também o Prof. Rui Rocha e os alunos Ruben Afonso, Fabian Naf e Renato Encarnação.

TTC com o módulo de processamento digital de sinal. 

As especificações apresentadas foi com TTC ensaiado no caso mais desfavorável, em full duplex com o emissor principal a emitir e o recetor a receber, embora no ISTnanosat não vá ser ser usado neste modo.

O TTC vai agora ser acrescentado ao módulo “Flat Sat”  – um satélite planar com toods os módulos interligados como se estivessem no CubeSat para que se prossigam os ensaios de todo o sistema em ambiente de espaço.

 

 

 

Publicado em AMRAD, AMSAT, Espaço, Investigação, ISTnanosat, Satélites