100 anos do tríodo eletrónico

Veja aqui um pouco da história do tríodo eletrónico.

Publicado em AMRAD, História da Rádio, Rádio Técnica

Almoço de Natal ISTnanosat

A equipa do ISTnanosat realiza o almoço convívio de Natal 2018.

A equipa reune-se  pelas 12 h do dia 21/12, sexta-feira,  nos laboratórios da equipa no IST Taguspark donde partirão para o almoço num restaurante vizinho.

 

A Direção da AMRAD aproveita para  dar os parabéns à equipa do ISTnanosat e desejar-lhes  um Feliz Natal e um Ótimo Ano Novo.

 

Moisés Piedade, Jorge Amarante, Rui Caldeira.

Publicado em AMRAD

Lanche de Natal

Caros sócios e amigos

A Direção da AMRAD convida os sócios e amigos da AMRAD para participarem num lanche-convívio de Natal, pelas 17 h do dia 21/12, sexta-feira, na estação CS5CEP, situada no IST Taguspark, onde será servido Bolo-Rei e vinho do Porto.

 

A Direção da AMRAD aproveita para desejar-vos um Feliz Natal e um Ótimo Ano Novo.

 

Moisés Piedade, Jorge Amarante, Rui Caldeira.

Publicado em AMRAD

Almoço de Natal 2018 em TVA

A  associação de radiomadores LARS “Liga de Amadores de Rádio de Sintra” fará a cobertura em TVA e internet das sessões técnicas asociadas ao almoço de Natal da AMRAD. A Direção da AMRAD agradece a preciosa colaboração que a  LARS tem dado a vários acontecimentos realizados pela AMRAD.

Reembramos que o almoço de Natal da AMRAD é aberto a todas as  pessoas e podem encontrar aqui o programa.

A AMRAD agradece a presença de todos, mas para os que não puderem estar presentes, a LARS fará a cobertura do acontecimento.

A Direção da AMRAD

 

 

 

Publicado em AMRAD

Museu Faraday no 1º Encontro ULisboa – Património

Nos dias 19 e 20 de novembro, no Salão Nobre do IST decorre o 1º Encontro da Universidade de Lisboa e Património.

https://tecnico.ulisboa.pt/pt/eventos/1-o-encontro-a-universidade-de-lisboa-e-o-patrimonio/

O Museu Faraday participa neste encontro e será visitado pelos participantes da ULisboa. pelas 17 h e 15 m.

O Museu Faraday preparou algumas novidades para os ilustres visitantes:

1-      oferta de um postal feito a partir de um cartaz do artista Alexandre Gaudêncio , sobre o telefone Gower Bell de 1882 .

Postal elaborado pelo artista Alexandre Gaudêncio

2-      demonstração em vídeo gravado (ainda não é numa plataforma androide) do trabalho de tese de mestrado do aluno João Barreto,  orientado pelo Prof. Rui Prada do IST e pela Profª Patrícia Gouveia de Belas Artes, sobre realidade aumentada e jogo para o telefone Gower. Vão seguir-se mais trabalhos deste tipo

https://www.youtube.com/watch?v=39KNVOpcSlQ&feature=youtu.be

3-      apresentação da última peça do Museu, um magnífico recetor de rádio Grebe Synchrophase de setembro de 1924, que estará exposto no corredor de acesso ao Museu, sobre a Mesa Faraday.

Na revista QST de abril de 1925 (também em exposição) aparece um artigo a descrever as inovações introduzidas por este rádio. O manual de instruções original, mas que foi reimpresso pela revista RadioAge em 1983, também estará exposto.

Pode encontrar aqui alguns detalhes sobre este rádio:

http://www.amrad.pt/recetor-de-radio-grebe-syncrophase/

Curiosamente, na revista QST acima citada, refere-se o falecimento de Olivier Heaviside em fevereiro de 1925 e que passou quase despercebido.

Heaviside isolou-se muito do mundo desde que muito novo ficou surdo, mas fez contribuições extraordinárias que aqui pode revisitar:

https://physicstoday.scitation.org/doi/10.1063/PT.3.1788

Publicado em AMRAD, Colecionismo, Eventos

Recetor de rádio Grebe Synchrophase

Em setembro de 1924, a empresa estadunidense A. H. Grebe & Co., Inc. apresentou um dos seus recetores de rádio mais bonitos e com excelente desempenho: o Grebe Synchrophase MU-1, rádio que, hoje em dia, é muito apreciado pelos colecionadores.

Rádio Grebe MU-1 de 1924.

A empresa Grebe foi fundada em 1909 e começou por fazer detetores de rádio a galena e sistemas de  bobinas/transformadores  de sintonia do tipo  acoplamento frouxo “loose coupler”. Seguiram-se vários rádios recetores e emissores para amadores e também militares que foram usados na 1ª guerra mundial.

Exemplos de rádios Grebe produzidos até 1922.

Em 1922, a empresa montou, em Nova Iorque, uma fábrica muito moderna que viria a ser usada para fabricar o rádio Synchrophase MU-1, o mais famoso deste fabricante. Neste novo edificio a empresa Grebe montou duas estações de radiodifusão com indicativos WAHG e WBOQ que fizeram a radiodifusão de vários acontecimentos muito importantes na história dos USA.

 Vários aspetos da fabricação do Greber MU-1 na  fábrica de Nova Iorque.

Anúncio do MU-1 em dezembro de 1924.

O rádio Grebe MU-1 tem a arquitetura TRF “Tuned Radio Frequency” a mais usada na época. Significa isto que há 3 amplificadores de RF iguais com transformador de acoplamento entre andares, sintonizados individualmente na frequência da estação a receber. Assim, Grebe foge aos direitos das patentes de Armstrong do recetor super heterodino mas é obrigado a usar a técnica de neutralização, inventada por Hazeltine e acaba por ter de pagar os direitos a este inventor.

O termo syncrophase advém de, por construção, os 3 estágios de RF serem exatamente iguais e serem feitos com as chamadas bobinas binoculares patenteadas por Grebe. Esta construção dos transformadores de RF permite reduzir os acoplamentos de sinais  indesejáveis entre andares e reduzir a influência de campos eletromagnéticos externos sem ter de se recorrer a blindagens.

O rádio introduz, pela primeira, vez um controlo de tonalidade para corrigir a resposta em frequência dos altifalantes usados na época. Tem também escalas lineares de sintonia com desmultiplicação mecânica dos botões de controlo.

O rádio tem 5 válvulas Radiotron UV-201A e requere 3 baterias de 45 V e 2 baterias de 4,5 V. O rádio foi produzido em duas versões: 1) com base caixa de baterias; 2) consola com espaço para baterias maiores.

Em 1925, Grebe fez alterações no MU-1 nomeadamente a introdução de duas correias de esferas que  para que  qualquer dos 3 botões de sintonia permita atuar em simultâneo os 3 circuitos sintonizados de RF.

Grebe synchrophase MU-1 versão de 1925.

A empresa Grebe produziu, posteriormente, novas versões do Syncrophase mas a empresa começou a não ser competitiva com outras, devido ao preço elevado dos seus rádios e, em 1932, acabou por ir à banca rota.

Para os colecionadores interessados no preço do rádio, Syncrophase MU-1, sem a base ou a consola (pouco frequentes, na atualidade), este preço pode variar, em 2018,  entre 300 e 1000 euros, dependendo do seu estado de conservação.

A revista QST de Abril de 1925 publicou um artigo de R. Batcher (o pai deste rádio) e desenhou o esquema deste rádio.

Pode ver aqui o artigo da QST.

Pode encontrar no Museu Faraday do IST, um exemplar do rádio Grebe MU-1 (1a versão), o manual de utilização, muito bem feito, com 70 páginas, que foi reimpresso pela revista RadioAge em 1983 e refere os vários detalhes da fabricação do rádio, encontrar  a revista QST de Abril de 1925 e o cartão/bilhete postal original que acompanhava o rádio para os utilizadores darem a sua opinião.

Imagems de frente e de costas do bilhete postal do Grebe MU-1.

O rádio Grebe MU-1, de 1924,  na Mesa Faraday do Museu Faraday.

 

Publicado em AMRAD, Colecionismo, História da Rádio Marcados com: