ISTnanosat-1 premiado pela URSI Portugal

A equipa do ISTnanosat apresentou a concurso ao 13.º Congresso do Comité Português da URSI o artigo ISTnanosat-1 “The first Portuguese University Cubesat”. Este trabalho mereceu a avaliação muito positiva do júri tendo sido premiado. Eis a comunicação que foi dirigida à equipa do ISTnanosat-1, onde a AMRAD é parceira.

Caros Candidatos

Na sequência da candidatura ao Prémio ANACOM URSI Portugal informo que o Júri de avaliação deliberou atribuir o Prémio ANACOM URSI Portugal, na edição de 2019 ao trabalho ” ISTSat-1 – The First Portuguese University CubeSat “.

Uma saudação muito especial a todos os que nos honraram com a sua candidatura e a quem queremos testemunhar o nosso mais profundo agradecimento. Na verdade este ano tivemos bastantes trabalhos a concorrer de elevada qualidade. O Comité Português da URSI felicita toda a equipa responsável pelo trabalho premiado, que se revelou de excelente qualidade e rigor científicos, clareza, transversalidade e agregador, culminando com a sua aplicação prática.

Está previsto que, o representante do grupo, João Paulo Monteiro, disponha de 5 minutos para fazer breve apresentação (tipo pitch) na sessão de encerramento do 13.º congresso do Comité Português da URSI que terá lugar no dia 17 de dezembro de 2019, no Ramada Lisbon Hotel, em Lisboa (Olaias), pelo que agradecia que me confirmasse da sua disponibilidade. Pedia-lhe, ainda, que me enviasse um parágrafo para divulgação em nota de imprensa sobre o trabalho.

 Convidamos todos vós a assistirem ao nosso 13.º congresso do Comité Português da URSI que terá lugar no dia 17 de dezembro de 2019, no auditório do hotel Ramada, em Lisboa (Olaias). A participação é gratuita e aberta a todos os interessados, apenas sujeita a inscrição prévia, a efetuar até 13 de dezembro através do formulário disponível no sítio da ANACOM na Internet em 13º Congresso do Comité Português da URSI.

 Estou ao dispor para qualquer questão adicional.

Obrigada, Luísa Mendes

(Presidente do Comité Português da URSI)

Publicado em AMRAD

Almoço de Natal 2019

O almoço de Natal de 2019 foi precedido de um aperitivo de vinho do Porto durante as discussões técnicas que tiveram lugar na sala de rastreio de satélies CS5CEP, no ISTTaguspark.

Almoço de Natal de 2019

Depois do aperitivo seguiu-se uma visita a um dos Laboratórios de desenvolvimento do ISTnanosat onde se assistiu a uma demonstração da versão Flat Sat.

Almoço de Natal_2 2019 – ISTnanosat (Flat sat)

De seguida almoçou-se num restaurante da região também regado com discussões técnicas (mas não só).

Almoço de Natal_3 2019

Publicado em AMRAD

Radioastronomia na Escola Maria Lamas

Com o apoio da AMRAD e a liderança do colega Carlos Gorjão tem vindo a ser cumprido o projeto de radioastronomia nesta escola. Veja aqui algumas fotografias que cobrem desde o carregamento das antenas da AMRAD até às realizações dos alunos.

Veja aqui fotografias da estrutura de suporte das antenas parabólicas.

Estrutura de suporte da antena.
Desmultiplicação do motor de rotação da antena.
Publicado em AMRAD

Impressor Telegráfico Português

Foi em 1864 que teve início o desenvolvimento do primeiro impressor telegráfico português.

Veja aqui mais detalhes.

Publicado em AMRAD

40 anos de walkman

Este ano faz 40 anos que apareceu o primeiro dispositivo de música pregravada portátil – o walkman, desenvolvido pela Sony. O walkman criou novos hábitos nas pessoas e é considerado uma das grandes criações do século 20.

Veja aqui um pouco da história do walkman

Publicado em AMRAD

ISTnanosat brilhante em EMC e SEM

Ontem completaram-se os ensaios eletromagnéticos do ISTnanosat-one nos Laboratórios da ANACOM em Barcarena. Os resultados obtidos foram excelentes, cumprindo-se com margem muito folgada as exigências da Agência Espacial Europeia, ESA, onde serão feitos os ensaios finais, mas para já, fica validada a excelência do projeto de todos os sistemas eletrónicos ensaiados.

Continuaram os ensaios de CEM iniciados no dia anterior, usando-se apenas a antena bicónica, como elemento radiante, em polarizações vertical e horizontal, na faixa inferior de frequências de 30 MHz a 80 MHz. A configuração utilizada foi a mesmo com que se terminou o segundo dia, i.e. as três placas empilhadas, interligadas pelo PC104, com a EPS colocada entre a placa do COM e a do OBC (as placas constituintes do flatsat não foram utilizadas). O conjunto foi “iluminado” segundo o eixo dos -ZZ e depois dos -XX, tal como tinha sido feito para os ensaios na faixa alta de frequências, no dia anterior. O ISTnanosat-one passou todos os testes realizados.

Depois dos ensaios de imunidade a campos eletromagnéticos, passou-se à sessão de ensaios de verificação de campos perturbadores radiados pelo satélite a três metros de distância. Nesta sessão começou-se por montar o satélite na sua estrutura metálica com as placas já mencionadas, juntando-se, numa primeira fase, a placa da experiência científica Payload (ADS-B) e, numa segunda fase, a placa do transcetor (TTC). Esta configuração está ilustrada na foto 1.

ISTnanosat-one com EPS, COM e OBC instalados.

Mediu-se a intensidade de campo radiado pelo satélite na faixa de frequências [30 MHz – 1 GHz]. Foram testados vários planos (XX, YY, -XX e -YY) graças à mesa  giratória onde o satélite estava colocado (ver foto 2). Isto permitiu analisar o campo radiado (ver foto 3) pelas quatro diferentes faces do satélite, em ambas as polarizações da radiação incidente. Após este ensaio, rodou-se o satélite  de tal forma que as faces orientadas segundo ZZ e -ZZ pudessem igualmente ser ensaiadas relativamente à radiação emitida. 

IStnanosat-one na mesa giratória iluminado pela antena.
Sistema usado para a análise das emissões do satélite.

Fez-se um último ensaio de radiação emitida pelo satélite equipado com os cinco subsistemas eletrónicos que o constituem (foto 4) e com a saída de RF do TTC a gerar uma potência de 27 dBm, terminada num atenuador de 40 dB de atenuação mas não carregado com 50 ohms, o que ainda permite alguma emissão de RF. Os resultados foram francamente positivos cumprindo todas as especificações requeridas pela ESA.

ISTnanosat-one com os cinco módulos eletrónicos instalados.

Falta só testar a vulnerabilidade do TTC a campos elétricos incidentes o que será feito na terceira semana de agosto. Nos ensaios realizados com a estrutura final do satélite não foram montados os painéis solares nem as antenas que, de alguma maneira, poderiam mascarar os resultados obtidos.

Uma nota final para relevar a visita que a Diretora de Gestão de Espectro da ANACOM, Engª Maria Luísa Mendes, efetuou à equipa conjunta da ANACOM e do IST que realizava os ensaios, inteirando-se do andamento dos mesmos e demonstrando assim o empenho e apoio institucional que a sua Direção tem dado ao projeto do primeiro satélite universitário português. Fica também um agradecimento muito especial ao responsável pelo laboratório LEC da Anacom, Engº Sirajali Momade, e ao Engº António Azevedo, responsável pelo LCEM, pelo seu contínuo acompanhamento dos trabalhos e empenho na colaboração prestada, extensível aos restantes elementos do laboratório, nestes três dias de intenso trabalho.

Publicado em AMRAD